domingo, 14 de dezembro de 2014

Sabedoria em Série #28

"Mas não importa o quanto tentamos, temos que perceber que 
algumas coisas não podem ser consertadas."

Grey's Anatomy

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Tive a sorte de um amor tranquilo...

Eu vivi um grande amor. E por mais natural que possa parecer tal afirmação, quero enfatizar que eu vivi um grande amor.

Um amor dos mais lindos e tranquilos que já existiu. Sabe a exceção? Então. Não há como negar que foram os melhores anos da minha vida até aqui.

Amor, cumplicidade, carinho, amizade, respeito, desejo... Não faltava nada. Foi assim por muito tempo, queríamos que fosse pra sempre, mas havia prazo de validade e não sabíamos.

E embora parecesse que não ia acontecer com a gente, um desequilíbrio nos fez duvidar se poderíamos continuar. Como em um terremoto, foi difícil ficar de pé.

Veio o sofrimento e o medo... Como seria a vida sem aquele pedaço de felicidade constante? Por isso pensar em terminar a relação foi tão dolorido.

Uma parte de dentro da gente queria continuar. Tentamos, mas tinha sempre a outra dolorida parte. Como duas metades não formam dois inteiros. Terminamos.

No início foi um estranho estar sem estar, depois fui me acostumando e me adaptando as circunstâncias nada amigáveis que se apresentavam...

Após um "intervalo", estou novamente disposta a reaprender a viver com esse grande amor de outra forma. Confesso que não é fácil. É um exercício diário que vez em quando beira o impossível.

No entanto, tenho que me virar com o sentimento remanescente dessa história de amor da melhor forma possível para poder seguir adiante sem medo de ser feliz outra vez.


Seremos.

sábado, 6 de dezembro de 2014

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Nada vale tanto quanto

Um beijo pra quem vive de saudade
Uma viagem pra quem é de travessia
Um episódio inédito pra quem é fã de seriado
Um quilo a menos pra quem é de dieta

Um abraço durante o soluço do choro
Um chocolate na TPM
Uma pessoa pra contar sempre
Um telefonema em tempo de whatsapp

Umas férias pra quem é atarefado
Um lugar pra chamar de lar
Um romance pra amar e ser amado
Ter pra onde ir e pra quem voltar

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Sinto muito

Olha, sinto muito tua falta. Sinto mesmo.

Sinto falta do som da tua risada, da tua voz.

Sinto falta de saber como foi o teu dia e te contar o meu. 

Sinto falta do teu beijo, do teu cheiro, do abraço, da tua pegada.

Sinto falta do leite com toddyde dividir último pedaço contigo. 

Sinto falta das cócegas (mesmo), de dormir e acordar ao teu lado. 

Sinto falta do café da manhã contigo, dos encontros, dos planos, dos sonhos.

Sinto falta de você na minha vida e, sobretudo, de nós na vida.

Só não sinto pudor algum em admitir toda a falta que você me faz.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Do que é feita uma saudade


Às vezes a saudade é feita de sorrisos. Noutras vezes de raiva. E em outras, de lágrimas. A ausência e a lembrança estão sempre presentes. O amor nem sempre. Às vezes é justamente dele que se sente falta.

Algumas vezes a saudade é feita de luto. E muita vezes é feita de culpa. Talvez o mea culpa seja o sal/açúcar de boa parte das saudades por aí. Mas ter saudade é ter certeza que algo bom aconteceu. E que daríamos tudo para repetir. Saudade também é feita de desejo.

De qualquer maneira, seja de qual for o sentimento que a saudade é feita, e mesmo que já se tenha 90 anos, ninguém quer viver só de saudade. Por isso saudade também é feita de esperança...